ONU quer nova investigação sobre alegações de estupros em Darfur

4 dezembro 2014

Ao Conselho de Segurança, chefe de Operações de totalmente independente; moradores da vila de Thabit alegam que 200 meninas e mulheres foram violadas sexualmente.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O Conselho de Segurança ouviu esta quinta-feira as declarações do subsecretário-geral da ONU para Operações de Paz. Hervé Ladsous falou sobre a situação no Sudão, em especial os trabalhos da Missão Conjunta da União Africana e das Nações Unidas em Darfur, Unamid.

Ladsous mencionou as alegações de que 200 meninas e mulheres teriam sido estupradas na vila de Thabit, em Darfur Norte, no final de outubro. Uma equipa da Unamid foi ao local a 9 de novembro, mas não conseguiu confirmar os relatos.

Apelo

Para o chefe de Operações de Paz, a investigação da Unamid foi “inconclusiva” devido a presença de militares e polícias no local e por isso, exige uma nova investigação.

Ao Conselho de Segurança, Ladsous destacou a necessidade de que a investigação da Unamid seja totalmente independente e fez um apelo ao governo sudanês, para que dê à missão acesso imediato à vila de Thabit e à população do local.

Ataques

Ladsous também sublinhou a insegurança em Darfur e os confrontos entre forças do governo e movimentos armados, incluindo bombardeamentos. A Unamid reportou 55 casos de violência e de ataques contra civis recentemente.

Restrições impostas por forças do governo e milícias estão a comprometer a habilidade da missão em implementar seu mandato e proteger civis. O representante lembrou que três soldados de paz da ONU e um funcionário civil morreram em ataques nos últimos meses.

Hervé Ladsous também lamentou a frágil situação humanitária em Darfur, pois subiu para 430 mil o total de deslocados internos desde o começo do ano.