Ban: “extremistas estão ditando a agenda entre israelenses e palestinos”
BR

25 novembro 2014

Secretário-geral da ONU fez a declaração para marcar o Dia Internacional de Solidariedade com o Povo Palestino; ele declarou que está profundamente preocupado com a situação em Jerusalém e Cisjordânia.

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, afirmou que os extremistas estão ditando a agenda de negociações entre israelenses e palestinos.

A declaração foi feita para marcar o Dia Internacional de Solidariedade com o Povo Palestino, este sábado, 29 de novembro.

Preocupado

Em nota, Ban declarou que está muito preocupado com a situação em Jerusalém e na Cisjordânia. Segundo ele, incitamento e ações provocativas em locais religiosos estão espalhando as chamas do conflito além da cidade sagrada.

O chefe da ONU pediu a todas as partes que evitem o extremismo, exerçam moderação e respeitem as autoridades que controlam essas áreas. Mais uma vez, ele condenou os ataques contra fiéis e outros civis.

Ban disse que já denunciou repetidamente as atividades de assentamento de Israel na Cisjordânia, incluindo a área ocupada do leste de Jerusalém. Ele explicou que a lei internacional é clara dizendo que os assentamentos são ilegais e pediu que o governo israelense pare com essas atividades.

Ao mesmo tempo, o chefe da ONU condenou os ataques indiscriminados de foguetes do Hamas que têm como alvo civis israelenses.

Ano Sombrio

Ele citou que este tem sido um ano sombrio para palestinos, israelenses e todos os que buscam a paz. Segundo Ban, o mundo assistiu 50 dias de uma outra guerra em Gaza, o terceiro conflito em seis anos.

O secretário-geral disse que 2,2 mil palestinos e 70 israelenses morreram nos confrontos. Mais de 100 mil palestinos em Gaza tiveram suas casas destruídas e as principais infraestruturas da região estão em ruínas.

Ban disse ainda que milhares de palestinos continuam deslocados e os dois lados estão muito longe de uma segurança duradoura.

O chefe da ONU afirmou que “israelenses e palestinos dividem um destino compartilhado numa terra compartilhada e não há como um apagar o outro”.

Ban Ki-moon declarou que “o ciclo de destruição tem que acabar e um ciclo virtuoso de paz deve começar”. Ele pediu “a todas as partes que encontrem o caminho da paz antes que o tempo e a esperança acabem”.