Cabo Verde destaca importância do financiamento para garantir nutrição

20 novembro 2014

Ministra das Finanças e do Planeamento falava durante conferência internacional na Itália; Cristina Duarte defende política orçamental a médio e longo prazo para se combater subnutrição e a fome.

Leda Letra, enviada especial da Rádio ONU a Roma.

Um país deve planear a médio e a longo prazo qual parcela de seu orçamento será dedicada ao combate à fome, segundo a Ministra do Planeamento e das Finanças de Cabo Verde.

Cristina Duarte defendeu a perspectiva ao falar na Segunda Conferência Internacional sobre Nutrição, na capital italiana, Roma. À Rádio ONU, a ministra disse que em mais de 20 anos, o país reduziu sua taxa de pobreza de 49% para 24%.

Refeição na Escola

“Acho que o subsídio do setor petrolífero constitui uma depesa de péssima qualidade no nosso orçamento. Eliminamos os subsídios aos combustíveis e pegamos destas poupanças e canalizamos para as despesas sociais. Refeição quente em todas as escolas e graças às refeições quentes, melhoramos de forma dramática a nutrição em Cabo Verde, aumentamos a nossa taxa de escolaridade e atingimos a paridade na escola alimentar e no liceu. Como vê, com uma medida.”

Segundo a ministra Cristina Duarte, as medidas foram implementadas por Cabo Verde há cerca de oito anos. Antes, os subsídios aos combustíveis rondavam entre 10% e 15% das despesas do governo.

A cimeira da FAO sobre nutrição está a ser atendida por delegações de mais de 170 países. Além de Cabo Verde, a participação de África lusófona é feita por ministros de Angola, Moçambique e Guiné-Bissau.

*Apoio Institucional: FAO/Roma.