Entrevista: Etienne Krug

17 novembro 2014

A Organização Mundial da Saúde, OMS, alertou que 372 mil pessoas morrem afogadas todos os anos no mundo.

Segundo o primeiro “Relatório Global sobre Afogamento: Evitando uma das Maiores Causas de Morte”, lançado esta segunda-feira em Genebra, o problema está entre as 10 principais causas de morte de crianças e jovens em todas as regiões.

O Brasil aparece como terceiro país com o maior número de mortes por afogamento, ficando atrás do Japão e da Rússia. A OMS informou que ocorreram 6487 afogamentos em 2011 no Brasil. Já na Rússia, foram quase 12 mil afogamentos e no Japão, quase 9 mil.

De Genebra, o diretor do Departamento de Controle de Doenças Crônicas e de Prevenção da Violência e dos Traumatismos da OMS, Etienne Krug, falou à Rádio ONU sobre a situação do Brasil.

Segundo ele, o país tem um um número alto de afogamentos. Para combater o problema, Krug disse que devem ser implementadas medidas de prevenção básicas a nível das comunidades.

Entre essas ações estão a instalação de grades ao redor de piscinas, para impedir a aproximação das crianças. Na sua opinião é necessário também ter locais seguros para que essas crianças possam ficar durante o período em que os pais trabalham e ensinar as crianças a nadar nas escolas primárias.

O médico da OMS disse que as regiões do mundo onde os afogamentos mais acontecem são a África, no sul e no leste da Ásia e nas regiões do Pacífico. Ao mesmo tempo ele alerta que a morte por afogamento é um problema mundial que ocorre em todos os países.

Acompanhe a entrevista com Edgard Júnior.

Duração: 03'44"