Em vésperas de diálogo, missão da ONU diz que povo implora paz no Mali

14 novembro 2014

Ronda de negociações entre autoridades e grupos armados retoma a 15 de novembro;  país continua com várias escolas e centros de saúde encerrados.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Os malianos querem a paz e imploram aos seus representantes que sigam para buscá-la na nova ronda de diálogo em Argel, afirmou esta quinta-feira o vice-chefe da Missão da ONU no Mali, Minusma.

Arnaud Akodjenou fez as declarações a caminho da capital argelina, onde deve juntar-se as delegações que retomam as negociações sobre o país da África Ocidental. O diálogo envolve o governo e grupos armados do norte.

População

Antes da viagem, o representante fez um périplo por vários pontos do Mali para manter contacto e discutir a paz com a população. Akodjenou disse que tanto na capital Bamako como nas cidades de Gao, Kidal e Timbuktu a sociedade civil, homens e mulheres expressaram a palavra paz de forma frequente.

Ao ressaltar essa necessidade,  mencionou o cansaço das pessoas transmitido em histórias de frustrações e dificuldades. Contou que em Kidal, as crianças não frequentavam a escola há muito tempo por que estas e os centros de saúde não funcionam.

Negociações

Sobre o início da nova ronda em Argel, neste sábado, a União Africana alertou para a importância de uma rápida conclusão das negociações.

Em outubro, o Conselho de Segurança pediu às partes que participem no diálogo de boa-fé e com espírito de compromisso a fim para que resulte num acordo de paz abrangente e inclusivo.

A segurança agravou-se desde o início deste ano com um aumento nos incidentes envolvendo engenhos explosivos improvisados. Os principais alvos eram as forças de segurança nacionais e internacionais.