FMI desembolsa US$ 5,2 milhões para apoiar recuperação da Guiné-Bissau

4 novembro 2014

Órgão realça aposta na estabilidade macroeconómica; previsão é que economia guineense tenha um crescimento de 2,5% em 2014.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O Fundo Monetário Internacional, FMI, anunciou o desembolso de US$ de 5,2 milhões para apoiar a  recuperação da estabilidade macroeconómica da Guiné-Bissau.

Uma nota emitida, esta terça-feira, pelo órgão realça que o montante deve ajudar a resolver questões urgentes do equilíbrio orçamental e lacunas de pagamentos. A outra meta é ajudar a reduzir a pobreza com a retomada dos serviços essenciais e o reforço das capacidades do governo.

Doadores 

O FMI destaca que o novo governo eliminou quase todos os salários em atraso nos primeiros meses do mandato. O facto deveu-se a fatores como reativação de receitas, renovação da assistência dos doadores e colocação de títulos do tesouro no mercado regional.

As previsões apontam para uma recuperação da atividade económica guineense e que o país registe um crescimento de 2,5% este ano.

Pobreza 

Nos últimos dois anos, a economia guineense registou uma queda de 2% no Produto Interno Bruto e um “aumento significativo da pobreza”.

Este ano, o país realizou as primeiras eleições gerais após o golpe de Estado de 2012. Entre as “condições muito difíceis herdadas pelo governo recém-eleito” o órgão destaca as perturbações económicas, a erosão das receitas do governo, a compressão dos gastos sociais e atrasos acumulados a nível externo e doméstico.