Ban: encontro em Viena é crucial à campanha da ONU por futuro sustentável

3 novembro 2014

Afirmação foi feita nesta segunda-feira durante segunda conferência das Nações Unidas de países em desenvolvimento sem acesso ao mar; secretário-geral declarou que a organização continuará a ajudar estas nações a alcançarem dignidade para todos.

Laura Gelbert, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O secretário-geral, Ban Ki-moon, afirmou que a segunda conferência das Nações Unidas de países em desenvolvimento sem acesso ao mar é “parte fundamental da campanha mais ampla da ONU por um futuro mais sustentável”.

O encontro começou nesta segunda-feira em Viena, na Áustria.

Desafios

Falando a jornalistas, o chefe da ONU declarou que esta conferência é um “marco” nas ações para chamar atenção global sobre os “desafios e potenciais” dessas nações.

Segundo Ban, entre os tópicos discutidos estão como reduzir custos de transporte, diversificar economias e aumentar o valor dos produtos de países do grupo. Ele afirmou que o objetivo é empoderar as pessoas para “melhorar as suas vidas e avançar o progresso nacional”.

Desenvolvimento Sustentável

O secretário-geral disse que as questões abordadas na conferência são “centrais ao diálogo que a ONU está a liderar sobre um quadro novo e ousado para o desenvolvimento sustentável”. Ele adicionou que conta com o encontro “para contribuir com uma agenda pós-2015 bem sucedida para suceder os Objetivos de Desenvolvimento do Milénio”.

O chefe da ONU disse que durante a conferência em Viena é preciso “moldar um plano mais ambicioso, abrangente e voltado a resultados” do que o adotado há onze anos. Ele afirmou que “conta com as delegações a serem ousadas e olharem para o futuro”.

Ban declarou que as Nações Unidas querem integrar os países sem acesso ao mar à economia global de forma a “conectar mercados e pessoas”. Ele afirmou ainda que a organização “continuará a ajudar estas nações a alcançarem uma vida de dignidade para todos”.

Leia mais:

ONU inicia conferência para discutir desafios de países sem acesso ao mar