Violência põe em perigo acesso humanitário na República Centro-Africana

31 outubro 2014

País registou sete incidentes de segurança envolvendo trabalhadores do setor; Ocha considera nível de deslocados  de “emergência humanitária massiva”; Unicef diz não haver certeza se ano letico arranca a 17 de novembro.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Agências das Nações Unidas alertaram que o reacender dos confrontos e o aumento da violência na República Centro-Africana, em outubro, estão a colocar em risco o acesso humanitário.

O Escritório da ONU para Assistência Humanitária, Ocha, disse que o mês encerrou com 410 mil deslocados, um nível considerado de emergência humanitária massiva.

Mortos 

Durante o período, o país registou sete incidentes de segurança envolvendo trabalhadores humanitários. Os episódios juntam-se a outros 19 entre janeiro e setembro deste ano que fizeram oito mortos . As vítimas incluem um trabalhador da ONU e funcionários de ONGs internacionais e locais.

Perante receios de um agravamento da situação, o Fundo da ONU para a Infância, Unicef, disse ter preparado suprimentos de emergência para crianças. A agência também criou 78 novos espaços de aprendizagem temporários para mais de 15 mil menores forçados a fugir das suas casas.

Hospitais

O Unicef confirmou a morte de seis crianças e o ferimento de outras 22 nos combates deste mês. Duas delas foram brutalmente assassinadas após terem sido acusadas de espionagem. Por outro lado, o receio de bloqueios ou o medo de crianças e mulheres grávidas serem atingidos ditou o acesso limitado aos hospitais.

Não há clareza em relação à data de início do ano letivo, que no mês passado foi adiado para 17 de novembro após a erupção da violência em Bangui, declarou a agência.

O Programa Mundial de Alimentação, PMA, anunciou que metade dos residentes de áreas rurais está sob alto risco de malnutrição. As reservas alimentares são inferiores à metade da média e o número de animais registou  uma queda superior a um terço em relação aos níveis pré-crise.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud