Conselho de Segurança debate papel da mulheres em situação de conflito

28 outubro 2014

Em mensagem enviada ao órgão, secretário-geral disse que comunidade internacional está a ver as mulheres como agentes e não apenas vítimas; debate aberto sobre Mulheres, Paz e Segurança destaca custos de conflitos.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

O Conselho de Segurança realiza esta terça-feira um debate aberto sobre Mulheres, Paz e Segurança. O secretário-geral Ban Ki-moon está em África, mas enviou uma mensagem ao encontro, lida pela diretora da ONU Mulheres.

Em Nova Iorque, Phumzile Mlambo-Ngcuka elogiou a comunidade internacional por ultrapassar a visão de que as mulheres são apenas vítimas de conflitos.

Custos

A mensagem de Ban Ki-moon diz que a força feminina está a ser vista como agente da paz e do progresso, graças aos esforços do Conselho de Segurança. Mas os custos dos conflitos são evidentes para refugiadas e deslocadas internas.

Phumzile Mlambo-Ngcuka destacou que perder os potenciais dividendos da igualdade de gênero para a paz e o desenvolvimento nunca teve um custo tão alto.

Violações

Ao ler a mensagem de Ban, a chefe da ONU Mulheres disse ser urgente lutar contra abusos, porque são chocantes os ataques e as violações de direitos humanos cometidas contra meninas e mulheres.

Mlambo-Ngcuka pediu ação imediata contra impunidade e contra a discriminação. A representante também chamou a atenção para a situação no Afeganistão, República Centro-Africana e Sudão do Sul, países onde os deslocamentos causam mais conflitos, e nações como Iraque e Mali, onde meninas e mulheres são alvo de ataques de extremistas.

Além dos 15 países que integram o Conselho de Segurança, representantes de outras nações, como Brasil e Portugal devem participar do debate no órgão.