Jovens congoleses dispersados à força após agressão a uma base da ONU

22 outubro 2014

Missão na República Democrática do Congo e forças do país garantem segurança da área da cidade de Beni, próxima ao Aeroporto de Mavivi; ONU congratula cirurgião Denis Mukwege pelo Prémio Sakarov.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Uma multidão, maioritariamente composta por jovens, foi dispersada esta quarta-feira das instalações da Missão das Nações Unidas na República Democrática do Congo, Monusco, na cidade de Beni.

A operação de paz refere, em nota, que os seus efetivos intervieram com  as forças de segurança do país africano e protegem actualmente a área do Aeroporto de Mavivi, na província de Kivu Norte.

Pedras 

Pela manhã, os atacantes em “grande número” lançaram pedras contra as instalações da Monusco. Noite de terça-feira, um ataque de jovens locais obrigou a missão a evacuar 12 funcionários das suas residências na área.

A Monusco relatou igualmente que uma patrulha que também integrava elementos das forças congolesas foi bloqueada por vários civis armados perto de Mbau, em Beni. Dois civis foram mortos e um outro ficou ferido. A missão disse que está a apurar os fatos sobre o incidente.

Prémio Sakarov

Num outro desenvolvimento, o representante especial do secretário-geral da ONU na RD Congo, Martin Kobler, felicitou o médico Denis Mukwege por ter sido agraciado pelo Prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento do Parlamento Europeu.

Kobler disse que o prémio lança luz sobre a luta do cirurgião congolês no combate à violência sexual no país. Kobler disse que o galardão ressalta o compromisso internacional de apoi à paz e segurança no país.

Mandela

Desde 1988, o Prémio Sakharov é atribuído a pessoas ou organizações que lutam pelos direitos humanos e pela liberdade de expressão.

Entre os recetores dos €50 mil estão o antigo líder sul-africano Nelson Mandela e as ativistas do Mianmar, Aung San Suu Kyi, e do Paquistão Malala Yousafzai.