Assembleia Geral faz reunião especial sobre situação atual do ebola BR

Imagem

Assembleia Geral faz reunião especial sobre situação atual do ebola

Presidente do órgão disse que apesar dos esforços no combate ao surto, ebola continua destruindo comunidades; Sam Kutesa alertou que o ebola pode atingir qualquer país.

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

A Assembleia Geral da ONU realizou esta sexta-feira uma reunião para debater o combate ao surto de ebola.

O presidente do órgão, Sam Kutesa, disse que a situação na África Ocidental é extremamente frágil.

Alto Risco

Kutesa afirmou que na linha de frente da epidemia, trabalhadores humanitários, médicos, enfermeiros e civis estão enfrentado um alto risco pessoal para fazer o trabalho.

Ele declarou que apesar desses “esforços heroicos”, o surto continua destruindo comunidades com o número de mortos aumentando diariamente.

Segundo Kutesa, o vírus representa uma ameaça que pode facilmente atingir qualquer país.

Ação

Já vice-secretário-geral da ONU, Jan Eliasson, que também participou da reunião, afirmou que “agora é a hora da ação”.

Eliasson disse que “a resposta ao ebola deve ser rápida e eficaz para enfrentar o tamanho e a urgência desse desafio”.

Segundo ele, a crise é multidimensional com efeitos não somente na saúde pública, mas também na segurança alimentar, nos setores socioeconômicos e na estabilidade política dos países.

Desafio

O coordenador sênior da ONU sobre o Ebola, David Nabarro, afirmou que trabalha em saúde pública há 35 anos e já enfrentou várias epidemias durante este período.

Mas o médico afirmou “que nunca teve de encarar um desafio como esse em toda a vida profissional”.

Ele explicou que a razão para isso é que o surto saiu de áreas rurais e está chegando a cidades. Segundo Nabarro, a doença não está afetando mais uma região delimitada, está atingindo toda a região e com impacto no mundo inteiro.

O coordenador da ONU declarou que a epidemia está avançando mais rápido do que os esforços de controle. Ele espera conseguir conter o surto em alguns meses.

Catastróficas

O chefe da Missão de Resposta de Emergência Contra o Ebola, Anthony Banbury, falou por videoconferência, de Acra, capital de Gana, sobre os trabalhos da equipe.

Ele disse que suas primeiras impressões da visita aos três países mais atingidos: Libéria, Serra Leoa e Guiné foram “profundamente preocupantes”.

O chefe da Unmeer afirmou que “as consequências dessa doença são catastróficas”.

Para combatê-la, Banbury disse que a missão vai ter de seguir alguns princípios. Em primeiro lugar, manter os membros da equipe saudáveis, sem isso, os esforços não serão possíveis.

Ele disse que a missão deve apoiar as operações nacionais e os líderes dos países, como também, o trabalho da Unmeer não deve substituir ou duplicar os planos nacionais.

E finalmente, Banbury afirmou que a resposta da equipe deve ser preparada especialmente por país e para lidar com cada circunstância.

Pelo último boletim da Organização Mundial da Saúde, divulgado nesta sexta-feira, o número de casos de infecções do ebola chegou a 8399. A doença já matou 4033 pessoas.