ONU saúda diálogo para ultrapassar impasse político na Líbia

2 outubro 2014

Frente-a-frente entre facções rivais do Parlamento é o primeiro desde o início da onda de violência há quatro meses; União Africana quer que seja ouvida opinião de líderes do continente para sucesso do processo.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque. 

O Conselho de Segurança saudou, esta quinta-feira, o encontro entre membros da Câmara dos Representantes da Líbia que é organiz ado com a ajuda das Nações Unidas.

A reunião decorre em Ghadames, na fronteira com a Argélia, desde 29 de setembro. Trata-se do primeiro diálogo entre facções rivais do parlamento líbio desde que iniciou a onda de violência no país em maio.

Impasse 

De acordo com a Missão da ONU na Líbia, Unmil, as negociações devem culminar com um consenso sobre a transição democrática. Mais de 300 mil pessoas foram deslocadas devido aos combates na Líbia, segundo as Nações Unidas.

Os Estados-membros do Conselho de Segurança expressaram o seu forte apoio aos “esforços para resolver as diferenças entre as partes, através do diálogo pacífico, inclusivo e no âmbito de um processo político.”

Experiências

Falando à Rádio ONU, em Nova Iorque, o representante da União Africana junto das Nações Unidas, Téte António, disse que convém ter em conta as experiências africanas na busca de uma solução para a Líbia.

“Penso que há muitas lições a tirar. Em relação à Líbia a principal lição é que deve-se ouvir os africanos também. O que está a acontecer no país é que a União Africana estava a fazer um trabalho, através do Comité de Chefes de Estado, no qual já tinha previsto tudo. Estava tudo dito em relação às consequências para o país e para a região do que está a acontecer, apesar de não haver responsabilização para aqueles que criaram esta situação.”

Diálogo

Antes, o representante especial do secretário-geral na Líbia saudou o anúncio da Câmara dos Deputados do compromisso com o diálogo político e com a inclusão para resolver a crise.

Bernardino León disse que a declaração enfatiza a capacidade dos líbios para resolver suas diferenças e abre uma nova página nas relações entre eles.

Processo

León também elogiou os esforços dos parlamentares que antes haviam boicotado a Câmara dos Deputados, mas que agora participam do diálogo pelo que chamou de compromisso com o processo político.

Entretanto, o responsável expressou sua preocupação sobre os que disse estarem a desempenhar um papel negativo, contrário aos interesses do povo líbio e à resolução do Conselho de Segurança.

Para o enviado, a  Câmara dos Deputados líbia é a única autoridade legislativa considerada uma “plataforma, onde as partes podem discutir as prioridades nacionais num espírito de unidade no maior interesse do país.”

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud