Moçambique: ONU apoiou estimativa do uso insustentável de recursos

26 agosto 2014

País lusófono está entre os nove pioneiros de uma iniciativa do Pnud e do Pnuma; nas nove nações abrangidas pelo projeto, a margem pode chegar aos 22% do Produto Interno Bruto.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Moçambique está entre nove nações africanas onde os custos do uso insustentável dos recursos naturais ronda os 17% e 22% do seu Produto Interno Bruto, PIB.

Agências das Nações Unidas colocam o país no mesmo patamar de nações como Botsuana, Burquina Fasso, Quénia, Mali, Mauritânia, Ruanda e Tanzânia.

Tendência 

Graças ao PEI, Iniciativa Pobreza-Ambiente do Programa da ONU para o Meio Ambiente e o Programa da ONU para o Desenvolvimento, é realçada uma tendência diferente da verificada em vários países devido à crise de 2008.

Durante o período, a prioridade política para a sustentabilidade ambiental diminuiu e os orçamentos para as áreas do ambiente e de gestão sustentável dos recursos naturais foram cortados.

Reformas

As duas agências referem, entretanto,  que a perceção foi diferente onde o PEI é implementado desde 2005. Ao serem aceites e compreendidos, os cálculos permitiram reformas políticas nos setores.

A ONU destaca que África passa por um rápido crescimento económico impulsionado pela agricultura e pelas indústrias extrativas, quando o mundo recupera da crise financeira global.

O progresso inicial feito nos nove países demonstra a "solução vantajosa oferecida através do reforço das ligações entre a sustentabilidade ambiental e o desenvolvimento humano".