Raparigas raptadas na Nigéria sob risco de violência sexual

22 agosto 2014

Representante do Fundo de População das Nações Unidas, Unfpa, no país africano afirmou que as Nações Unidas não esqueceram as alunas levadas de uma escola de Chibok pelo grupo Boko Haram.

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

Cerca de 200 raparigas raptadas pelo grupo Boko Haram na Nigéria estão sob risco de violência sexual.

A declaração é da representante do Fundo de População da ONU, Unfpa, na Nigéria, Rati Ndhlovu. As alunas foram levadas de uma escola de Chibok a 14 de abril por militantes do grupos islamita Boko Haram. Para a funcionária da organização, as raparigas não estão só sob ameaça dos sequestradores, mas também de outros homens podem aproveitar-se da situação.

Cativeiro

A representante da ONU referiu que a restauração da dignidade e da integridade é fundamental para reintegrar as raparigas num “espaço seguro” na sociedade. 

Rati Ndhlovu lembrou que as Nações Unidas não esqueceram das meninas. A maioria das alunas ainda permanece sob poder dos sequestradores, mas algumas conseguiram escapar do cativeiro.

Ela falava a jornalistas durante uma conferência de imprensa na Nigéria. Para a representante da ONU trata-se de uma tragédia dupla.

Água

Na conferência, foi informado que de acordo com agências noticiosas, o movimento Boko Haram continua a sequestrar moradores da região e muitas vezes obrigá-los a combater na insurgência.

A maioria das clínicas de saúde fechou porque muitos trabalhadores tiveram que fugir da violência.

As raparigas estão a passar necessidades como falta de kits higiénicos e falta de água. Por causa do rapto das meninas de Chibok, outras raparigas nigerianas passaram a ter medo de ir à escola. Agências da ONU prestaram auxílio psicólogico às alunas para que elas pudessem vencer o medo.

*Apresentação: Denise Costa.