Escolha de novo PM foi decisão importante no processo político da RCA

11 agosto 2014

Afirmação foi feita pelo representante especial do secretário-geral para a República Centro-Africana, Babacar Gaye; segundo ele, o que está em jogo é como essa decisão será recebida pelas partes envolvidas no conflito do país.

Edgard Júnior, da Radio ONU em Nova Iorque.

O representante especial do secretário-geral para a República Centro-Africana, Babacar Gaye afirmou que a escolha do novo primeiro-ministro do país foi uma decisão importante no processo político.

Em entrevista à Rádio ONU, Gaye comentou sobre a indicação do primeiro muçulmano para o cargo de premiê do país africano de maioria cristã, Mahamat Kamoun.

Implementação

“Esta nomeação é um evento no estabelecimento da nação, mas nós veremos depois do nível de implementação (da decisão) a forma como isso será recebido pela população e pelas partes envolvidas na crise”.

Kamoun foi indicado para o cargo, neste domingo, pela presidente Catherine Samba-Panza.

Ele foi ministro das finanças durante o governo do ex-presidente Michel Djotodia, que renunciou em janeiro como parte dos esforços para acabar com o conflito religioso no país.

Babacar Gaye espera que o primeiro-ministro escolha um novo governo que seja aceito por todos os lados da crise. Ele espera ainda que Kamoun ponha em prática todas as medidas para estabilizar o país.

A República Centro-Africana tem 4,6 milhões de habitantes, metade formada por cristãos e 15% de muçulmanos. O restante pertence a várias crenças indígenas.