Agência da ONU lança pesquisa sobre deslocados internos em Bangui

18 julho 2014

Mais da metade indicou intenção de voltar para casa nas próximas quatro semanas, mas número continua caindo; dados são de pesquisa da Organização Internacional para Migrações.

Laura Gelbert, da Rádio ONU em Nova Iorque.* 

O número de pessoas que pretende voltar para casa em Bangui, na República Centro-Africana continua a cair. Os dados estão na mais recente pesquisa sobre intenção de retorno de deslocados internos da Organização Internacional para Migrações, OIM.

O documento indica ainda uma dificuldade contínua destas pessoas para atenderem às necessidades diárias.

Entrevistas

A pesquisa recente foi baseada em entrevistas com 601 pessoas em 31 locais entre os dias 17 e 19 de junho.

O trabalho tem sido conduzido mensalmente, desde janeiro de 2014, para monitorizar as necessidades e intenções de retorno dos deslocados internos em Bangui.

Segurança

Com 33%, a segurança seria a maior prioridade que os entrevistados indicaram para que voltassem para casa. Em seguida, está a habitação com 31%. Esta ordem é a mesma indicada na pesquisa anterior.

Pouco mais da metade, 56%, indicou intenção de retornar para casa nas próximas quatro semanas. Este número tem caído desde a pesquisa feita em janeiro, quando 74% dos deslocados internos expressou o desejo de retornar num mês.

O número de refugiados internos que deseja ficar no seu local de deslocamento subiu de 27% em maio para 36% em junho. Em fevereiro, a proporção era de apenas 19%.

Alimentação

Segundo a OIM, a alimentação continua a ser uma questão crítica. Cerca de 97% dos deslocados disse que houve uma redução no número de refeições consumidas por dia.

Ainda de acordo com a agência, em dezembro, havia 390 mil deslocados internos em Bangui. Desde então, apesar de algumas flutuações, este número vem caindo gradualmente.

Mais de 70% destas pessoas deixaram a cidade, que atualmente tem cerca de 105 mil refugiados internos em 43 localidades. O número estimado de deslocados internos na República Centro-Africana é de 535 mil pessoas.

* Apresentação: Denise Costa.