Racismo e xenofobia em debate no Conselho de Direitos Humanos
BR

19 junho 2014

Em nome da Comunidade dos Países Latino-Americanos, Costa Rica reafirmou urgência de erradicar as práticas; países que participaram do debate em Genebra destacaram contínua escravidão sofrida por africanos.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

O Conselho de Direitos Humanos da ONU realizou na tarde de quarta-feira um debate sobre racismo e xenofobia. No encontro, em Genebra, a representação de Costa Rica falou em nome dos países da América Latina e do Caribe.

Foi reafirmado o compromisso das nações do bloco com a Declaração de Durban e Programa de Ação, documento assinado pela comunidade internacional contra o racismo e a intolerância.

Década Internacional

A Costa Rica lembrou que implementar o acordo é essencial para erradicar o racismo e a discriminação de gênero. Foi destacado que os países da América Latina são formados por “sociedades multiétnicas e multiculturais, com ampla representação de descendentes africanos”.

Na reunião, o Conselho de Direitos Humanos também adotou uma resolução para implementar a Década Internacional dos Afrodescendentes a partir de 1 de janeiro de 2015. O documento será encaminhado à Assembleia Geral.

Os países que participaram do debate destacaram que ainda hoje, os descendentes de africanos continuam sendo vítimas de escravidão e de colonialismo. Para o Conselho, o “racismo é traiçoeiro, independente do grupo para qual é dirigido”.