Nigéria passa a integrar os cinco principais países com deslocados

Deslocados internos na República Centro-Africana. Foto: Acnur/A. Greco

Nigéria passa a integrar os cinco principais países com deslocados

Relatório aponta guerras como a maior causa para o recorde de 33,3 milhões de desalojados no mundo; República Democrática do Congo e Sudão estão entre as nações do topo.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova Iorque.* 

A Nigéria passou a figurar na lista dos cinco países com mais deslocados do mundo, com 3,3 milhões de pessoas. A República Democrática do Congo, RD Congo, e o Sudão estão em quarto e quinto lugar, da lista de nações com mais pessoas obrigadas a abandonar as suas casas.

A Síria lidera o grupo, de acordo com o Centro de Monitorização de Deslocados Internos, apoiado pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, Acnur.

Novo Recorde

A agência destaca a existência de 33,3 milhões deslocados internos devido à violência e aos conflitos no mundo, o que é considerado um novo recorde.

O alto comissário da ONU, António Guterres, declarou que o aumento dos novos desalojados torna difícil a busca de uma solução para as vítimas.

Civis

Segundo o chefe do Acnur, o mundo testemunha atualmente uma multiplicação de conflitos. Guterres disse haver uma impressão de que os conflitos antigos nunca terminam.

A Síria tem a maior crise de desalojados do mundo, com 43% dos 8,2 milhões de civis a viver como deslocados internos. Diariamente, 9,5 mil sírios fogem das suas casas devido à guerra, no que representa uma família por minuto.

O país do Médio Oriente e a República Centro-Africana são o “reflexo das situações enfrentadas por inocentes ainda afectados pelo conflito prolongado.”

O Centro revela que quanto à RD Congo, o crescimento deve-se à turbulência persistente sofrida pelos deslocados devido ao conflito que remonta a meados dos anos 90.

*Apresentação: Denise Costa.