Um ano após tragédia, OIT continua assistindo vítimas em Bangladesh BR

Um ano após tragédia, OIT continua assistindo vítimas em Bangladesh

Colapso do complexo de fábricas Rana Plaza matou 1,1 mil pessoas em 24 de abril de 2013; Organização Internacional do Trabalho supervisiona acordo de indenizações e programas de reabilitação para funcionários inválidos.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

O vice-diretor da Organização Internacional do Trabalho, Gilbert Huongbo, está em Bangladesh esta semana para marcar um ano do colapso do complexo de fábricas Rana Plaza, em Savar.

A queda do edifício ocorreu em 24 de abril de 2013, matando 1,1 mil pessoas e ferindo cerca de 2,5 mil.

Indenização

A OIT lembra que a tragédia foi um dos piores desastres do setor industrial. A agência da ONU já lançou um programa de mais de US$ 24 milhões para ajudar na melhoria das condições de trabalho na área têxtil em Bangladesh.

Já o Comitê de Coordenação Rana Plaza é formado pelo governo, ONGs e marcas de vestuário, com a proposta de garantir indenizações para as vítimas e suas famílias. A OIT supervisiona o cumprimento do acordo e fornece apoio técnico e aconselhamento ao comitê.

Sobreviventes

Segundo a agência, os sobreviventes da tragédia que foram gravemente feridos continuam recebendo assistência. Programas de reabilitação atendem 550 pessoas que estão temporariamente ou permanentemente inválidas.

A OIT destaca que cerca de 300 sobreviventes receberam ou recebem apoio para desenvolvimento de habilidades e para que consigam outro emprego. Essas iniciativas são feitas em parcerias com organizações não-governamentais.

Inspeção

Um ano depois do colapso em Bangladesh, a OIT ajudou o governo a criar um plano para a inspeção de fábricas e foram criados quase 400 novos postos para a função.

Mas a agência cita a necessidade de ação em áreas prioritárias, incluindo fundos para a completa indenização das vítimas e inspeções estruturais e contra incêndios nos locais de trabalho.