Após tufão, especialista pede cancelamento da dívida das Filipinas BR

Após tufão, especialista pede cancelamento da dívida das Filipinas

Cephas Lumina quer que credores internacionais forneçam doações em vez de empréstimos; medida é necessária para que país supere impacto da destruição causada pelo tufão Haiyan.

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

Um especialista independente de Direitos Humanos da ONU pediu o cancelamento da dívida externa das Filipinas.

Cephas Lumina explicou que os esforços de recuperação e reconstrução do país podem ser minados pelo peso da dívida.

Doações

Lumina quer que os credores internacionais forneçam doações e não mais empréstimos ao país. Segundo ele, medida é necessária para que as Filipinas possam superar o impacto da destruição causada pelo tufão Haiyan, no ano passado.

O especialista independente da ONU está encarregado de monitorar os efeitos da dívida externa em questões relacionadas aos direitos humanos, principalmente os direitos econômicos, sociais e culturais.

Lumina explicou que mais de US$ 22 milhões de dólares, o equivalente a mais de R$ 52 milhões, deixam o país diariamente para pagar esses compromissos.

Ele cita que desde novembro de 2013, as Filipinas receberam apenas US$ 417 milhões para cobrir o plano de resposta estratégica, metade do valor pedido.

Dívida

Durante o mesmo período, o país já pagou cerca de US$ 3 bilhões em dívidas. Somente em 2014, o país vai pagar US$ 8,8 bilhões aos seus credores.

Segundo o especialista, apesar de mais de 25% dos filipinos viverem na pobreza, as Filipinas são classificadas como um país de renda média, e por isso não se qualifica para programas de ajuda para amortizar dívidas.

O tufão Haiyan foi a tempestade mais forte a atingir o país. Ele deixou mais de 4 milhões de pessoas deslocadas e destruiu 500 mil casas.

O Haiyan teve um efeito arrasador na infraestrutura filipina, hospitais, escolas e serviços públicos, causando danos avaliados em US$ 12 bilhões.