Milhões de afegãos vão às urnas escolher presidente e parlamento novos
BR

5 abril 2014

ONU pediu participação de todos no pleito deste sábado e destacou importância das mulheres no processo de fortalecimento democrático do país; dos novos eleitores cadastrados, 35% são do sexo feminino; será a primeira transição entre dois governos eleitos por voto popular.

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.

O Afeganistão realiza neste sábado eleições legislativas e presidenciais. Será a primeira transição democrática de poder no país. Este ano marca também a retirada da maior parte das tropas internacionais que estão no Afeganistão desde 2001, quando o regime Talebã foi retirado do governo.

O chefe para Operações de Paz da ONU, Hervé Ladsous, visitou o Afeganistão semanas antes do pleito. Segundo ele, a votação é parte fundamental do processo de transição política.

Atentado

Os eleitores estão saindo às urnas num ambiente marcado também por ameaças, intimidações e insegurança. Na véspera da votação, um atentado praticado por um policial afegão matou a fotógrafa da agência Associated Press, Anja Niedringhaus, e deixou ferida a repórter Kathy Gannon.

As duas estavam trabalhando para acompanhar a distribuição de cédulas de votação e foram atacadas num comboio que era escoltado pela polícia afegã. Niedringhaus, 48 anos, e ganhadora do Prêmio Pullitzer de Jornalismo, morreu na hora. A repórter está fora de perigo.

Apesar da violência, muitos afegãos estão confiantes na realização do pleito que deverá indicar ainda o substituto do atual presidente Hamid Karzai.

União e Paz

Esta eleitora, da província de Mazar-e-Sharif, diz que está otimista com a votação e pede a todos os homens e mulheres que participem do pleito. Ela disse que quer escolher alguém que cumpra a promessa de dirigir bem o país.

Já este eleitor afegão conta que vai dar o voto dele a um candidato a presidente que possa servir o Afeganistão e levar a paz ao país. O eleitor Asadullah diz que o povo já sofreu muito com a guerra e que chegou a hora de promover reconciliação nacional.

Muitos eleitores que falaram com a Rádio ONU indicaram o combate à pobreza como uma prioridade para o novo governo além da criação de empregos e oportunidades. Paz, desenvolvimento e reconstrução foram outros itens citados pelas pessoas entrevistadas.

Segundo as Nações Unidas, as mulheres têm um papel fundamental para o sucesso do pleito e o fortalecimento da democracia no Afeganistão. Dos novos eleitores cadastrados, cerca de 35% são mulheres. E mais de 300 candidatas estão concorrendo em eleições locais. Já para o cargo de vice-presidente está sendo disputado também por três mulheres.