Chefe da Minustah elogia progresso político no Haiti
BR

24 março 2014

Sandra Honoré afirmou que o “diálogo como forma de acordo é uma vitória”; representante da ONU disse que lei eleitoral firmada em dezembro e o acordo El Rancho assinado este mês abrem as portas para eleições inclusivas e transparentes.

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

A chefe da Missão de Estabilização da ONU no Haiti, Minustah, Sandra Honoré, elogiou, esta segunda-feira, o progresso político no país.

Em pronunciamento no Conselho de Segurança, Honoré afirmou que o “diálogo como forma de acordo representa uma vitória para o Haiti”. Ela classificou como um “passo sem precedentes na história política do país” as conversas entre o executivo, o parlamento e os partidos políticos.

Acordo El Rancho

A representante da ONU afirmou que esse diálogo teve como resultado o Acordo El Rancho, firmado em 14 de março, quando ficou estipulada a realização de uma eleição neste ano.

Honoré declarou que o Haiti está no “momento da virada” onde os progressos alcançados em relação à paz, à segurança e à estabilidade devem ser complementados através da consolidação do processo democrático.

Outros pontos importantes segundo a chefe da Minustah são o Estado de direito, a boa governança e mais apoio às necessidades da população.

Ela disse que o acordo junto com a lei eleitoral, sancionada em dezembro, abriram o caminho para a realização de eleições inclusivas e transparentes.

Honoré explicou aos membros do Conselho de Segurança que é de suma importância que as provisões do acordo sejam implementadas rapidamente pelas autoridades haitianas.

Minustah

Nesse sentido, ela disse que a Minustah e os parceiros da comunidade internacional estão engajados junto às principais autoridades políticas do país.

A chefe da Missão da ONU afirmou que a situação da segurança no Haiti continua relativamente estável. Em relação à economia, Honoré disse que há razões para um “otimismo cauteloso e uma esperança renovada”. Tudo isso porque o país cresceu 4,3% no ano passado.

Na área da saúde, ela cita que os casos do cólera caíram de 352 mil em 2011 para 58,6 mil em 2013. Mesmo assim, ela alerta que muito mais precisa ser feito já que o país registra o mais alto número de casos da doença no mundo.

Honoré disse aos membros do Conselho de Segurança que os ganhos obtidos pela Minustah no país devem ser preservados.

Além disso, o governo haitiano, com o apoio da ONU, deve continuar progredindo em áreas como segurança, processo eleitoral, direitos humanos, Estado de direito e boa governança.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud