Missão de paz envia reforços para áreas de Darfur após novos confrontos

Missão de paz envia reforços para áreas de Darfur após novos confrontos

Fim de semana foi marcado por ataques de centenas de homens armados em Korma e Khor Abeche; Nações Unidas falam de mais de 200 mil deslocados desde o início do ano, devido à violência na área sudanesa.

Eleutério Guevane da Rádio ONU em Nova Iorque.

A Missão das Nações Unidas e da União Africana em Darfur, Unamid, anunciou o envio de tropas de paz adicionais para melhorar a proteção de milhares de desabrigados após uma nova onda de deslocamentos na região.

A base da missão em Korma, no norte da área sudanesa, tem cerca de 1 mil deslocados. Centenas de famílias abordadas pela Unamid relataram ataques de homens armados ocorridos nesta sexta-feira.

Acampamento

Já em Khor Abeche, em Darfur Sul, pelo menos 2 mil deslocados procuraram refúgio nas instalações da ONU, após ataques violentos de homens armados a várias aldeias e um acampamento de deslocados.

No sábado, o centro de desabrigados sofreu uma ação levada a cabo por 300 homens armados, que além de terem incendiado dezenas de abrigos roubaram o gado dos moradores.

Negociações

As hostilidades já levaram a apelos repetidos de funcionários da ONU no sentido de que as partes se juntem em negociações que levem a um cessar-fogo permanente e à paz abrangente.

Desde 2003, a região é marcada por confrontos que opõem grupos rebeldes às forças do governo e milícias aliadas denominadas Janjaweed.

Capacidade

Desde o início do ano, a violência e o aumento de deslocamentos teriam envolvido a mais de 200 mil pessoas em Darfur, revelou o escritório de coordenação Humanitária da ONU no Sudão.

A entidade expressou profunda preocupação com a nova escalada de deslocamentos, que segundo destacou vai além da capacidade de resposta das agências de auxílio nacionais e internacionais.

A situação também pressiona a prestação de serviços básicos para os necessitados, particularmente em Darfur onde “a capacidade de auxílio das agências já é escassa.”