Investimento em vacinas é chave para reduzir DSTs, afirma OMS
BR

10 março 2014

Segundo a agência, mais de 1 milhão de novas infecções por doenças sexualmente transmissíveis ocorrem por dia no  mundo; HPV causa 530 mil casos de câncer cervical todos os anos.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York. 

A Organização Mundial da Saúde, OMS, está chamando a atenção para a importância da pesquisa e do desenvolvimento de vacinas contra doenças sexualmente transmissíveis, DSTs.

A agência da ONU calcula que ocorrem mais de 1 milhão de novas infecções todos os dias.

Segundo a OMS, casos de herpes, gonorréia, clamídia, sífilis e HPV, são “um grande desafio de saúde”, porque são extremamente comuns e porque em muitos casos, os pacientes não apresentam nenhum sintoma.

Câncer

A agência da ONU afirma que o herpes pode aumentar o risco de HIV e lembra não haver cura para o vírus; já a gonorréia está cada vez mais resistente aos antibióticos. A transmissão da sifílis da mãe para o bebê pode causar morte neonatal e má formação do feto.

Só a infecção por HPV causa 530 mil casos de câncer cervical a cada ano, enquanto clamídia e gonorréia podem contribuir para a infertilidade.

Revolução

Por isso, a OMS acredita que a imunização com vacinas seguras pode “revolucionar” o combate às DSTs. A agência diz já ser uma boa notícia a introdução, em vários países, de vacinas para prevenção da hepatite B e do HPV.

No ano passado, a agência e especialistas em saúde desenvolveram um plano sobre vacinas contra herpes, clamídia, gonorréia, sífilis e tricomoníase. O projeto especifica o papel das áreas da ciência, epidemiologia, pesquisa e saúde pública, para que essas vacinas possam ser criadas.