FAO elogia ampliação de projeto de jardinagem para jovens africanos

19 fevereiro 2014

Diretor da agência, José Graziano da Silva, destaca plano de expansão que dá ênfase na agricultura familiar e na alimentação sustentável; projeto já foi implementado em 38 países.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, elogiou a expansão de um projeto de jardinagem para jovens africanos. O diretor da agência afirmou que o plano dá ênfase à agricultura familiar e à alimentação sustentável.

José Graziano da Silva mencionou ainda que o projeto ajuda na transferência de conhecimentos de uma geração para a outra.

Inclusão

Segundo o chefe da FAO, as hortas produzem mais do que comida porque geram inclusão e oferecem um espaço onde jovens podem aprender, compartilhar e construir capital social.

O projeto é realizado pela fundação italiana Slow Food e a instituição anunciou que irá ajudar jovens africanos a plantar 10 mil hortas. Até o momento, foi implementado em 350 comunidades de 38 países com a criação de mil hortas.

Ano Internacional

De Milão, onde participa no lançamento do plano de ampliação, Graziano da Silva afirmou que o projeto vai de encontro com o Ano Internacional da Agricultura Familiar, celebrado em 2014.

O chefe da FAO lembra que dois terços da população africana é rural e que três em cada quatro cidadãos do continente tem 25 anos ou menos. Entre os 842 milhões de pessoas com fome crónica no mundo, um quarto está em África.

Graziano da Silva falou ainda sobre a importância da agricultura familiar para milhões de pessoas pobres em áreas rurais, em especial mulheres e jovens.

Em maio do ano passado, a Fundação Slow Food e a FAO assinaram um acordo para a implementação de ações conjuntas com vista a melhorar a vida de pequenos agricultores.

*Apresentação: Eleutério Guevane.