Alta comissária pede ação urgente para relatório sobre Coreia do Norte
BR

18 fevereiro 2014

Navi Pillay afirmou que conclusões do documento sugerem crimes contra a humanidade; ela disse que em janeiro de 2013 pediu à comunidade internacional que fizesse um esforço maior para lidar com a situação dos direitos humanos no país.

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

A alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Navi Pillay, afirmou esta terça-feira que é necessária uma ação urgente para lidar com as conclusões do relatório sobre a situação na Coreia do Norte.

O documento divulgado esta segunda-feira, em Genebra, foi preparado pela Comissão de Inquérito das Nações Unidas sobre os Direitos Humanos no país asiático.

Máxima Urgência

Pillay disse que as conclusões do relatório devem ser tratadas com a máxima urgência já que sugerem a ocorrência de crimes contra a humanidade em uma escala inimaginável e que continuam a ser cometidos.

A alta comissária lembrou que em janeiro de 2013 pediu à comunidade internacional que fizesse um esforço maior para combater a situação dos direitos humanos na Coreia do Norte.

Segundo ela, dois meses depois do pedido, o Conselho dos Direitos Humanos criou a Comissão de Inquérito.

Para Pillay, o mundo tem dado atenção insuficiente para as contínuas violações dos direitos humanos no país.

Liderança Internacional

Ela declarou que isso foi parcialmente corrigido agora e que é necessário, nesse momento, uma forte liderança internacional para acompanhar as graves conclusões do relatório.

A alta comissária da ONU pediu aos países que usem de todos os mecanismos disponíveis para garantir a punição dos responsáveis, incluindo o envio do caso para o Tribunal Penal Internacional, TPI.

O relatório final da Comissão de Inquérito será apresentado aos 47 membros do Conselho de Direitos Humanos no mês que vem, em Genebra.