Brahimi pede desculpas ao povo sírio ao fim da rodada de negociações
BR

15 fevereiro 2014

Em Genebra, enviado da ONU e da Liga Árabe expressou desapontamento com falha do governo e da oposição em entrar num acordo; ainda não há previsão de quando se inicia a terceira etapa dos debates.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.*

A segunda rodada de negociações de paz sobre a Síria terminou este sábado, sem muitos progressos. O enviado especial da ONU e da Liga Árabe para o país disse estar desapontado com o fracasso do governo e da oposição em entrar num acordo.

Em Genebra, Lakhdar Brahimi pediu desculpas ao povo sírio, porque segundo ele, a população tinha grandes expectativas de que algo seria alcançado durante as negociações.

Pouca Ajuda

O enviado da ONU acredita que o pouco que foi feito na cidade velha de Homs renovou a esperança do povo sírio de que este seria o início da saída da “crise horrível” pelo qual eles passam.

Brahimi também se desculpou à população da Síria pela pouca ajuda alcançada durante as duas rondas de negociações. Ele espera que governo e oposição reflitam e voltem preparados para discutir seriamente a implementação do Comunicado de Genebra.

Transição

O enviado afirmou que os dois lados concordaram sobre a agenda da terceira etapa de conversas, que deve incluir o fim da violência e do terrorismo, o estabelecimento de um governo de transição, de institutições de Estado e de reconciliação nacional. Mas os dois lados estão divididos sobre como proceder.

Lakhdar Brahimi explicou que o governo rejeitou a proposta, o que aumenta a suspeita da oposição de que os representantes do presidente Bashar al-Assad não querem de nenhuma maneira discutir um governo de transição.

Sem Data

A ideia inicial era discutir no primeiro dia o fim do terrorismo e da violência e no segundo dia, o governo de transição, mas Brahimi deixou claro que dois dias não seriam suficientes para resolver os assuntos.

O enviado vai levar o caso para o Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon e também ao cinco membros permanentes do Conselho de Segurança. Ainda não há previsão sobre o início da terceira rodada de negociações.

*Com reportagem de Patrick Maigua, da Rádio ONU em Genebra.