FAO vai criar novos padrões de qualidade para ervas e especiarias
BR

12 fevereiro 2014

Segundo agência da ONU, comércio de temperos movimenta bilhões de dólares; primeira reunião do Comitê Codex sobre Especiarias ocorre na Índia até sexta-feira.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York. 

O comércio mundial de temperos, ervas e especiarias gera bilhões de dólares, segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO.

Por isso, a agência está criando novos padrões de qualidade para esses produtos, que são parte essencial do preparo de alimentos. A FAO explica que o setor passou por rápido crescimento nas últimas décadas, um sinal de “reconhecimento dos benefícios dos temperos para a saúde e a culinária”.

Espécies

Segundo a FAO, existem cerca de 50 espécies de plantas herbáceas com importância no comércio global. Essas plantas produzem sementes, folhas e caules que são comercializados de várias maneiras. Os temperos podem ser vendidos frescos, congelados, secos ou destilados em óleos.

No ano passado, foi criada a Comissão Codex sobre Especiarias e Ervas, em resposta à diversidade dos produtos e à importância do seu comércio. A primeira reunião do grupo ocorre até sexta-feira, na cidade de Kochi, no sul da Índia.

Segurança

O novo comitê, criado pela FAO, é responsável por promover a qualidade dos temperos mais importantes do mundo. Segundo a FAO, ao desenvolver novos padrões, o Codex quer contribuir para a segurança, qualidade e equidade no comércio internacional de ervas e especiarias.

A agência da ONU explica que quando os padrões internacionais forem estabelecidos, os consumidores poderão ter certeza sobre a qualidade e a segurança dos temperos na hora da compra. Já os importadores poderão confiar que as ervas e especiarias que encomendam estão de acordo com as novas especificações.