Processamento de lixo eletrónico junta países africanos em Bruxelas

11 fevereiro 2014

Unido diz esperar que nações em desenvolvimento sejam as maiores produtoras de resíduos eletrónicos num futuro próximo; projeto pretende abordar organização e gestão de instalações de processamento.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Representantes de empresas africanas ligadas ao processamento de resíduos abordam a gestão do lixo eletrónico sustentável, até esta sexta-feira na capital belga Bruxelas.

O evento é apoiado pela Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial, Unido, e a Worldloop, uma entidade sem fins lucrativos especializada no setor.

Equipamentos

Entre os temas a serem apresentados estão as melhores práticas e as soluções sustentáveis para etapas como recolha, desmontagem e reciclagem dos resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos.

Os participantes são provenientes de países como Burundi, República Democrática do Congo, Etiópia, Quénia, Marrocos, Senegal, Tanzânia, Uganda e Zâmbia.

Lixo

Num futuro próximo, os países em desenvolvimento devem produzir mais lixo eletrónico em relação aos considerados do primeiro mundo, destaca a Unido.

A ideia do projeto é promover soluções sustentáveis de reciclagem. A agência da ONU tem ainda em agenda a criação de instalações que estejam em conformidade com as normas internacionais.

Opções de Tratamento

A iniciativa inclui companhias líderes da indústria pela sua “preocupação crescente com as opções de tratamento disponíveis”, além de que estas sejam ambientalmente sustentáveis.

Tendo como ponto de partida o facto de os participantes entenderem as noções básicas de desmantelamento e tratamento adequado, a agência destaca a necessidade de administrar melhor os centros de reciclagem.

O outro objetivo da iniciativa é demonstrar as melhores práticas para destruir o lixo eletrónico, além de apresentar formas de organização e execução das instalações para o efeito.