ONU: mortes e ferimentos de civis aumentaram 14% no Afeganistão em 2013
BR

9 fevereiro 2014

Relatório da Missão das Nações Unidas no país, Unama, mostrou que quase 3 mil pessoas morreram por causa da violência; segundo documento, esse foi o pior ano desde 2009.

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

A ONU alertou que houve um aumento de 14% do número de civis mortos e feridos no Afeganistão em 2013.

O dado consta do Relatório Anual sobre Proteção de Civis em Conflitos Armados, preparado pela Missão de Assistência das Nações Unidas no país asiático, Unama.

Talebãs

O representante especial do Secretário-Geral para o Afeganistão e chefe da Unama, Jan Kubis, afirmou que o conflito armado causou um dano muito grande aos afegãos no ano passado.

Kubis disse que a maioria das mortes de civis foi causada por ações de forças contra o governo, incluindo o grupo Talebã.

Segundo o documento, a violência no Afeganistão matou quase 3 mil civis e deixou mais de 5,5 mil feridos. O resultado representa uma alta de 7% das mortes e 17% dos ferimentos comparados com 2012.

Mulheres e Crianças

A Unama informou que os conflitos mataram mais de 14 mil pessoas no país nos últimos cinco anos.

O relatório detalha ainda que 34% das mortes foram causadas pelos chamados dispositivos explosivos improvisados.

O documento mostra que 2013 foi o pior ano para mulheres e crianças. No caso das mulheres, 235 foram mortas e 511 feridas, o que representa um aumento de 36% em relação ao ano anterior.

A situação entre as crianças não foi muito diferente. Houve uma alta de 34% no número de menores mortos e feridos.

A Unama lembrou que ataques indiscriminados ou direcionados contra civis são proibidos pela lei humanitária internacional, que deve ser seguida por todas as partes em conflito no Afeganistão, inclusive os talebãs.