Embaixador vê com “extrema prudência” solução para Síria na Genebra 2

Embaixador vê com “extrema prudência” solução para Síria na Genebra 2

Ao deixar Nova Iorque, representante cabo-verdiano junto à ONU fala de diferenças de posicionamentos a nível internacional e das partes em conflito; Ban Ki-moon seguiu esta segunda-feira para o encontro.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

Nas vésperas da reunião internacional em busca de uma solução para o conflito na Síria, o diplomata cabo-verdiano António Lima disse que vê com prudência o fim do evento com um acordo para o fim do conflito.

Nesta segunda-feira, o Secretário-Geral da ONU segue para a Suíça para participar na Conferência Genebra 2, que decorre em Montreux no dia 20. Ban Ki-moon considera o evento “uma oportunidade única para o fim da violência e para garantir que a paz seja restaurada.”

Cenário

Para o embaixador, tal cenário tem sido desafiado por desentendimentos no terreno. Lima falou à Rádio ONU, em Nova Iorque, numa entrevista que abordou o fim dos seis anos de mandato como representante do seu país junto às Nações Unidas.

“Estamos todos com esperança de que a próxima reunião de Genebra possa trazer alguma luz. Veja a minha extrema prudência, porque nós sabemos que os partidos da oposição têm dificuldades e têm divisões enormes. Nessa situação atual da Síria, vejo dificilmente que cheguem a uma mesa em conjunto e a falar por forma a resolverem o problema”, frisou.

Solução

O diplomata realçou ainda que a busca da solução para o conflito, que dura há três anos, é marcada por um cenário misto por parte de membros da comunidade internacional.

“Há exigências por parte de certos países, que querem impor alguma visão das coisas. O regime tem a sua própria visão e os seus aliados. A oposição está completamente dividida, não sabemos o que pensa realmente sobre o desfecho dessas negociações. Portanto, as coisas ainda estão em banho-maria e espero que não durem muito. Esta situação já durou demais, 130 mil pessoas mortas é um drama para todos. Não é aceitável chegarmos a essa situação, com tantos mortos e refugiados.”

Região

Lima disse que perante uma situação que está a repercutir-se pela região do Médio Oriente tudo deve ser feito para resolver o conflito.

As Nações Unidas esperam que no evento haja consenso quanto ao estabelecimento de um órgão transitório para conduzir o país.

Na semana passada, o representante conjunto da ONU e da Liga Árabe para a Síria lamentou o anúncio da ausência do Comité de Coordenação Nacional da Genebra 2. Lakhdar Brahimi disse ter transmitido a mensagem de respeito à decisão ao líder do grupo da oposição síria.

*Apresentação: Denise Costa.