Vaticano: “abusos sexuais de crianças na igreja são inaceitáveis” BR

Vaticano: “abusos sexuais de crianças na igreja são inaceitáveis”

Comissão da ONU sobre os Direitos da Criança investiga crimes cometidos contra menores de idade; representante da Igreja Católica disse que Santa Sé não tem uma política para encobrir esse tipo de crime.

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

O Estado do Vaticano afirmou esta quinta-feira que os abusos sexuais cometidos contra crianças por integrantes da igreja são inaceitáveis.

A declaração foi feita pelo representante da Igreja Católica Romana em Genebra, arcebispo Silvano Tomasi, na audiência da Comissão da ONU sobre os Direitos da Criança, que investiga crimes cometidos contra menores de idade.

Tomasi disse à Comissão da ONU que o Vaticano é contra qualquer tentativa feita por integrantes da igreja para encobrir investigações envolvendo abusos sexuais de menores cometidos por clérigos.

Segundo o arcebispo, o abuso sexual de menores é uma ofensa criminal injustificável. Ele afirmou que esses crimes devem ser julgados pelos países onde foram cometidos.

O bispo Charles Scicluna, também representante da delegação do Vaticano, disse que a Santa Sé não tem qualquer política para encorajar o encobrimento de crimes de abusos sexuais.

Scicluna afirmou que é aberta uma investigação sempre que paróquias, bispos ou congregações religiosas recebem uma denúncia de abuso sexual cometido por um clérigo.

Scicluna explicou que esse processo não substitui e não passa por cima da lei do país onde o crime ocorreu.

O bispo declarou que os países cientes de casos de obstrução de justiça devem tomar as medidas necessárias para punir os responsáveis, sejam eles quem forem.

O papa Francisco anunciou a criação de uma comissão para a proteção de menores para lutar contra os abusos sexuais de crianças na Igreja Católica e oferecer ajuda às vítimas.

A Comissão da ONU sobre os Direitos das Crianças é formada por 18 especialistas independentes que supervisionam a implementação da Convenção sobre os Direitos da Criança pelos países. Entre os outros países analisados está Portugal na próxima semana.