Deslocados do conflito no Sudão do Sul já ultrapassam os 400 mil

Deslocados do conflito no Sudão do Sul já ultrapassam os 400 mil

Cifra foi anunciada pelo Secretário-Geral das Nações Unidas um mês após início dos confrontos; Unmiss anuncia chegada dos primeiros reforços militares nepaleses ao país africano.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

O número de deslocados internos no Sudão do Sul já ultrapassou a marca dos 400 mil nesta semana, disse esta quarta-feira o Secretário-Geral das Nações Unidas.

Em nota divulgada pelo porta-voz, Ban Ki-moon lembra que os trabalhadores humanitários enfrentam desafios para fornecer a assistência aos civis necessitados.

As declarações surgem um mês após o início dos confrontos entre forças leais ao presidente Salva Kiir e apoiantes do seu vice-presidente, Riek Machar que fizeram pelo menos 1 mil mortos.

Reforços

Ainda nesta quarta-feira,  a Missão da ONU no Sudão do Sul, Unmiss, anunciou a chegada do primeiro reforço militar à capital sul-sudanesa, Juba.

Trata-se de 25 soldados da paz nepaleses, que trabalhavam na Missão da ONU no Haiti, Minustah. O grupo é o primeiro de um batalhão de 350 soldados de paz do país que devem chegar ao Sudão do Sul até ao fim de janeiro.

Naufrágio

Ban disse que está “alarmado” com o aumento de mortos no Sudão do Sul, como resultado da continuação do conflito no país. A morte por afogamento de 200 civis ao tentar fugir da violência em Malakal, no Estado do Alto Nilo também foi também mencionada.

Os relatos do naufrágio surgiram nesta terça-feira, três dias após o incidente ter ocorrido no Rio Nilo.

O chefe da ONU condena nos termos mais fortes a apropriação de veículos humanitários e o saque de estoques de alimentos e outros artigos, que teriam sido realizados tanto por forças do governo como da oposição.

Negociações

Ban Ki-moon pede aos dois lados que ponham fim às hostilidades, tendo apelado ao envolvimento construtivo com a Autoridade Intergovernamental sobre Desenvolvimento, que lidera as negociações.

O Secretário-Geral lembra que os autores de ataques contra civis, trabalhadores humanitários e funcionários da ONU, serão responsabilizados e reforça o compromisso da organização em proteger a população sul-sudanesa.

* Apresentação: Eleutério Guevane.