OIT diz que desemprego de longo prazo é desafio para países
BR

14 janeiro 2014

Relatório mostra que é difícil conseguir um novo trabalho em menos de seis meses; chance de brasileiro perder o emprego em 2014 é de 11,5%, mas possibilidade de conseguir nova colocação é de 86%.

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

A Organização Internacional do Trabalho, OIT, afirmou que o maior desafio de vários países será enfrentar o desemprego de longo prazo, ou seja mais de seis meses.

A conclusão está no relatório de Indicadores-Chave do Mercado de Trabalho, divulgado nesta segunda-feira, pela agência da ONU

Brasil

O documento mostra que no Brasil, por exemplo, o risco de um trabalhador perder o emprego em 2014 é de 11,5%. Ao mesmo tempo, a chance de se conseguir um nova colocação chega a 86% durante o mesmo período.

A previsão para o Brasil é melhor do que em vários outros países, como por exemplo, os parceiros do Brics. Na África do Sul o trabalhador terá menos da metade da chance obtida no Brasil.

Nos Estados Unidos, o risco de ficar desempregado é um pouco menor que o do Brasil sendo de 10,6%, e a chance de se conseguir um novo trabalho é um pouco menor: quase 74%.

Europa

Segundo a OIT, a situação piora na Europa, onde as chances de se conseguir um novo trabalho não passam dos 65%. A melhor performance é a da Grã-Bretanha seguida da Alemanha (58%) e França (56%).

Em Portugal e na Espanha, as chances são ainda menores (de  40,1% e 48,7%), respectivamente.

A Grécia tem um dos menores índices. A possibilidade de um grego achar um trabalho em 2014 é de somente 18,6%.

Educação e Habilidades

A OIT afirma que os países, em todos os níveis de desenvolvimento, constataram que uma educação adequada e as habilidades das pessoas fazem a diferença entre um crescimento inclusivo e um crescimento que deixa grandes segmentos da sociedade para trás.

O relatório mostrou que a quantidade de trabalhadores vivendo na pobreza está diminuindo. Atualmente, a OIT calcula que 822 milhões nos países em desenvolvimento estejam nesta situação, o que representa 30,6% da força de trabalho global.

O documento revela ainda que a classe média dos países em desenvolvimento continua aumentando. Hoje, a classe média nessa região inclui 32% dos trabalhadores, quase o dobro do registrado no final dos anos 90.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud