Cerca de 20 mil sul-sudaneses já cruzaram a fronteira com Uganda
BR

7 janeiro 2014

Acnur enfrenta o desafio de fornecer água suficiente e saneamento adequado para os novos refugiados; Quênia e Etiópia também recebem civis que fogem da violência.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

O Alto Comissariado da ONU para Refugiados, Acnur, já nota o aumento de civis que saem do Sudão do Sul e cruzam as fronteiras com países vizinhos.

Cerca de 20 mil pessoas ultrapassaram a fronteira com Uganda, uma média de 2,5 mil novos refugiados por dia. A agência enfrenta o desafio de fornecer água suficiente e saneamento adequado aos civis na chegada a Uganda.

Instabilidade

Em Genebra, a porta-voz do Acnur, Melissa Fleming, destacou que a situação no Sudão do Sul continua muito instável. As bases da ONU abrigam 57 mil civis e a agência tenta acelerar a entrega de itens para que os desalojados consigam cozinhar nas tendas.

Segundo a porta-voz, além de Uganda, os sul-sudaneses buscam refúgio na Etiópia, que recebeu 5 mil civis, e no Quênia, com 300 pessoas chegando por dia no campo de refugiados de Kakuma.

Deslocados Internos

A Organização Internacional para Migrações, OIM, também trabalha na assistência aos desalojados, que escapam dos conflitos étnicos no Sudão do Sul. Abrigo, comida, serviços de saúde, de água e de saneamento são necessários com urgência, segundo a entidade.

A OIM lidera os trabalhos de registro dos desalojados nas bases da ONU na capital do país, Juba. Os civis recebem lençois plásticos, cobertores, colchonetes e kits para cozinhar.

Segundo a organização, a situação econômica do país é lamentável, com muitas lojas destruídas e praticamente nenhum comércio. A OIM lançou um apelo à comunidade internacional para que forneça US$ 23,2 milhões, equivalentes a R$ 54,5 milhões, em apoio aos trabalhos humanitários da agência no Sudão do Sul.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud