República Centro-Africana tem 2,2 milhões precisando de ajuda humanitária BR

República Centro-Africana tem 2,2 milhões precisando de ajuda humanitária

ONU diz que país tem quase 1 milhão de deslocados por causa da violência; em cerca de duas semanas, número de pessoas que tiveram que fugir de suas casas subiu 40%.

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

A ONU alertou que a falta de segurança, verbas e acesso estão dificultando os esforços de ajuda humanitária na República Centro-Africana.

Segundo as Nações Unidas, o país africano tem 2,2 milhões de pessoas necessitando de assistência, praticamente a metade da população centro-africana. Quase 1 milhão foram deslocados por causa da violência.

Aumento Deslocados

O relatório do Escritório de Assistência Humanitária, Ocha, alertou que desde 24 de dezembro, houve um aumento de 40% do número de deslocados somente em Bangui, a capital.

O documento diz ainda que cerca de 100 mil pessoas buscaram refúgio no aeroporto internacional.

Segundo o Ocha, a insegurança dificulta o fornecimento de serviços essenciais, incluindo a campanha de vacinação contra o sarampo, que começou na semana passada.

O relatório afirma que a violência, que já dura um ano teria um motivo religioso e disputas entre muçulmanos e cristãos.

Desafios

Apesar dos desafios, as agências humanitárias da ONU e parceiros estão conseguindo chegar aos mais necessitados no país. O Programa Mundial de Alimentos, PMA, forneceu comida para mais de 250 mil pessoas no mês passado.

A agência avisa que essa ajuda pode sofrer um corte de 90% em fevereiro por falta de verba.

Enquanto isso, organizações de saúde estão combatendo a desnutrição em seis acampamentos para deslocados em Bangui. 

As ONGs fornecem também suprimentos básicos como sabonete, cobertores, colchões e mosquiteiros para milhares de famílias por todo o país.