ONU reafirma determinação em apoiar a Somália, após ataque bombista

ONU reafirma determinação em apoiar a Somália, após ataque bombista

Secretário-Geral elogia reação rápida das forças de segurança apoiadas por forças internacionais; Conselho de Segurança lembra decisão de aumentar apoio às tropas de paz e do governo dos país africano.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

As Nações Unidas reagiram ao mais recente ataque bombista a um hotel da capital somali, Mogadíscio, reafirmando o seu apoio às autoridades do país do Corno de África.

O Secretário-Geral, Ban Ki-moon, disse afirmar vigorosamente a sua determinação implacável para apoiar o Governo Federal e o povo somalis no fortalecimento das instituições do Estado e na promoção da paz e da segurança.

Al-Shabaab

Nesta quarta-feira, dois carros armadilhados explodiram no exterior do hotel Jazeera. Agências noticiosas apontam para a morte de pelo menos 10 pessoas e o ferimento de várias outras nas explosões no local, frequentado por políticos e cidadãos estrangeiros. As milícias al-Shabaab já reivindicaram a responsabilidade pelo ato.

Os membros do Conselho de Segurança também sublinharam a sua determinação em continuar seus esforços em prol da paz e estabilidade na Somália.

Apoio

Em comunicado, os 15 países-membros disseram que este e outros “atos deploráveis de terrorismo,” não vão enfraquecer a sua determinação em apoiar o povo somali.

Após declarar-se horrorizado com o ato, Ban Ki-moon expressou condolências às famílias dos falecidos e desejou uma rápida recuperação aos feridos. A reação rápida das forças de segurança somalis, com o apoio da Missão Conjunta da ONU e da União Africana no país, Amisom, foi enaltecida pelo líder da ONU.

Ameaça

Os membros do Conselho de Segurança recordaram que, recentemente, decidiram aumentar de forma significativa o apoio da ONU para a Amisom e para as Forças de Segurança Nacional da Somália para conter a ameaça do al-Shabaab no país e na região africana.

A Somália foi marcada por conflitos faccionais desde a queda do antigo presidente Mohamed Siad Barre em 1991.

A retirada das milícias islamitas al-Shabaab de Mogadíscio, em 2011, marcou os avanços recentes para a estabilidade que incluem a criação de novas instituições governamentais. O processo deve culminar com a eleição democrática de um governo permanente.