Onusida tem como prioridade acabar com discriminação em 2014

2 janeiro 2014

Campanha Discriminação Zero contra pessoas que vivem com HIV pede uma mudança global na forma como os doentes são tratados; símbolo da iniciativa é uma borboleta para representar transformação.

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre o HIV/Sida, Onusida, tem como uma das suas prioridades para 2014 acabar com a discriminação contra pessoas que convivem com o vírus.

A campanha do Dia da Discriminação Zero, que será celebrada em 1º de março, conta com a participação da Prémio Nobel da Paz, Aung San Suu Kyi do Mianmar.

Transformação

O Onusida diz que pretende alcançar uma transformação global no tratamento aos doentes. A discriminação, segundo a agência da ONU, pode afetar as pessoas de várias formas.

Em relação ao local de trabalho, o Programa da ONU diz que a discriminação representa um grande obstáculo à expansão dos serviços de acesso aos tratamentos de HIV.

Dados oficiais sobre a doença mostram que uma em cada sete pessoas a conviver com o vírus tem acesso negado aos serviços de saúde e mais de 10% não conseguem emprego porque são seropositivos.

Diferença

No lançamento da campanha, a Prémio Nobel disse “acreditar num mundo em que todos podem desabrochar.” Ela afirmou que “todos podem fazer a diferença ao permitir que as pessoas levem uma vida digna independente de quem sejam.”

O chefe do Onusida, Michel Sidibé, afirmou que será impossível atingir zero novas infecções e zero mortes relacionadas à sida sem o fim da discriminação.

Segundo o Onusida, o número de pessoas com HIV em 2012 atingiu 35,3 milhões. Do total, 2,3 milhões correspondem a novas infecções e 1,6 milhão de pessoas morreram de complicações ligadas à sida.

*Apresentação: Eleutério Guevane.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud