Unmiss preocupada com movimento de grupos armados no Sudão do Sul

Unmiss preocupada com movimento de grupos armados no Sudão do Sul

Missão da ONU diz que avanço de jovens segue em direção ao estado sul-sudanês de Jonglei; em todo o país, número de deslocados subiu para 180 mil.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

A Missão da ONU no Sudão do Sul, Unmiss, disse estar extremamente preocupada com o número de jovens armados a avançar para Bor, a capital do estado sul-sudanês de Jonglei.

Em comunicado, a agência confirmou que tem estado há alguns dias a seguir relatos do tipo de movimento, mas não pôde confirmar de forma independente o seu tamanho ou localização.

Reunião

Nesta segunda-feira, o Conselho de Segurança vai abordar a violência no país numa sessão à porta fechada.

Agências noticiosas apontam para mais de 1 mil mortos devido a disputas entre as forças leais ao presidente Salva Kiir e ao seu ex-vice, Riek Machar. Os combates passaram a envolver as suas comunidades Dinka e Nuer.

Combates

O Escritório da ONU para Assistência Humanirária estima que 180 mil pessoas já foram deslocadas desde o início da onda de combates a 15 de dezembro.

Nas instalações da Unmiss, 75 mil pessoas pediram abrigo  para fugir da violência, incluindo na capital Juba e nas cidades de Bor, Bentiu , Malakal e Pariang.

Na capital de Jonglei, a operação de paz diz ter feito um reconhecimento aéreo e que relatos deste domingo apontavam para grupos armados que estavam a cerca de 50 km a nordeste da cidade.

Compromisso

A representante especial do Secretário-Geral no Sudão do Sul, Hilde Johnson, disse estar em contacto com vários líderes políticos e comunitários. Nas conversas, é salientado o apelo ao compromisso no sentido do uso da sua influência para convencer os jovens armados a travar o avanço.

De acordo a Unmiss, grande parte de Bor é controlada pelo Governo. No estado de Unity, a situação é tida como calma mas tensa, em torno da capital Bentiu. A missão deu a conhecer relatos de combates pesados na cidade de  Mayom, a nordeste.

Polícia

A 27 de dezembro desembarcou no país o primeiro grupo de polícias da ONU provenientes da Missão da ONU na República Democrática do Congo, Monusco.

A Unmiss anunciou a chegada do primeiro pelotão da polícia em Bor para garantir o apoio para  impor ordem e segurança no interior no complexo da missão na cidade.

O Ocha diz, entretanto, que dentro e fora de bases da Unmiss cerca de 106 mil pessoas receberam algum tipo de assistência até ao momento. O apoio aos deslocados inclui alimentação, cuidados de saúde, vacinas, água potável, saneamento e serviços de proteção.

*Apresentação: Denise Costa.