Alerta sobre “efeito desastroso” da crise centro-africana sobre crianças

23 dezembro 2013

Delegação da organização relata casos de mutilação e de violência sexual levada a cabo por grupos armados; civis tidos como  alvos de ataques deliberados e atos de retaliação.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Após uma visita realizada neste fim de semana à República Centro-Africana, uma delegação das Nações Unidas alertou para o que chamou “efeitos desastrosos do conflito”, especialmente em crianças.

Além de mortes, os funcionários indicaram a existência de menores mutilados e de vítimas da violência sexual levada a cabo por grupos armados.

Reforço

A necessidade do reforço das capacidades e recursos do Escritório Integrado da ONU de Consolidação da Paz no país bem como  das Nações Unidas como um todo foram realcados pelo grupo. O objetivo é garantir uma resposta adequada e eficiente à crise.

Nas últimas duas semanas, cristãos e muçulmanos protagonizam ataques de represália mútua, que fizeram cerca de 210 mil deslocados somente  em torno da capital Bangui.

Vítimas

A deslocação envolveu o assessor especial para a Prevenção do Genocídio, Adama Dieng, a representante especial para Crianças e Conflitos Armados, Leila Zerrougui, e em nome da representante especial para a Violência Sexual em Conflitos a funcionária Nancee Oku.

Os responsáveis reuniram-se com o Conselho Nacional de Transição bem como diplomatas, líderes religiosos, sociedade civil, mulheres, deslocados internos, vítimas de violações de direitos humanos e funcionários humanitários.

Base Religiosa

Um dos motivos de alarme foram os inúmeros relatos de ataques deliberados e de atos de retaliação contra a população civil, principalmente com base religiosa.

No total, o país de 4,6 milhões pessoas tem cerca de 750 mil deslocados estando 40 mil albergados nos países vizinhos.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud