ONU exige fim das hostilidades contra civis no Sudão do Sul
BR

22 dezembro 2013

Ban Ki-moon afirmou que está muito preocupado com a piora da situação de segurança no país; Secretário-Geral disse que 40 mil pessoas buscaram abrigo em bases da organização.

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

O Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, afirmou este domingo que está muito preocupado com a piora da situação de segurança no Sudão do Sul.

A declaração de Ban foi feita em Manila, no encerramento da visita de três dias as Filipinas para acompanhar os trabalhos humanitários no país por causa dos danos causados pela passagem do tufão Haiyan, no mês passado.

Exigência

Ban exigiu que todos os líderes políticos, militares e chefes de milícias do Sudão do Sul parem com as hostilidades e acabem com a violência contra civis.

Ele afirmou que 40 mil pessoas já buscaram abrigo em várias bases da ONU espalhas pelo país para fugir dos confrontos.

O Secretário-Geral pediu ao presidente do Sudão do Sul, Salva Kiir e aos líderes da oposição, incluindo o ex-vice-presidente, Riek Machar, que encontrem uma solução política para a crise.

Ban afirmou que eles têm a responsabilidade perante o povo sul-sudanês de acabar com a crise e encontrar um caminho político para resolver suas diferenças.

Inaceitável

O chefe da ONU fez um apelo para que tanto Kiir como Machar façam o possível para garantir que seus seguidores compreendam que a violência étnica é inaceitável e representa uma ameaça aos jovens do país.

A Missão das Nações Unidas no Sudão do Sul, Unmiss, informou este domingo que começou a retirar todo o pessoal considerado não essencial de Juba, capital do país. Eles estão sendo levados para Entebbe, em Uganda.

A decisão foi tomada como medida de precaução enquanto a Unmiss continua fornecendo assistência e abrigo a mais de 20 mil civis que estão fugindo da violência somente nesta região.

Hilde F. Johnson

Neste sábado, a missão da ONU retirou o pessoal civil em operação na base de Jonglei, no Estado Bor. Eles foram transferidos para Juba. Ao mesmo tempo, a Unmiss planeja reforçar a segurança militar em Bor e Pariang para continuar protegendo a população civil.

A retirada de pessoal e o reforço militar também estão acontecendo na base de Bentiu, no Estado Unity.

Hilde Johnson

A representante especial do Secretário-Geral para o Sudão do Sul, Hilde Johnson, afirmou que não está abandonando o país. Ela disse que a missão está na região para ficar e trabalhar com os sul-sudaneses.

Johnson alertou que a Unmiss “não será intimidada pelos que querem ameaçar, atacar ou colocar obstáculos no seu caminho.”

A missão da ONU declarou que continua engajada, junto com parceiros regionais e internacionais e líderes sul-sudaneses para resolver a crise de forma pacífica.

A Unmiss avisou que assim que a situação da segurança no país estiver normalizada, os funcionários voltarão à base da missão em Juba.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud