Produção de ópio no sul da Ásia aumentou 22% este ano
BR

18 dezembro 2013

Segundo o Unodc, crescimento ocorreu no Triângulo Dourado, formado foi Mianmar, Laos e Tailândia; pesquisa mostra relação entre cultivo da papoula e pobreza.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

O cultivo da papoula para a produção de ópio aumentou pelo sétimo ano consecutivo no Triângulo Dourado do sul da Ásia, formado por Mianmar, Laos e Tailândia.

O levantamento do Escritório da ONU sobre Drogas e Crime, Unodc, afirma que a produção de ópio combinada nos três países aumentou 22% este ano. Só em Mianmar, o crescimento foi de 26%, com cerca de 870 toneladas, o maior nível desde 2002.

Liderança

O ópio é obtido através de um corte na papoula, de onde sai o látex com boa concentração de morfina e de outras substâncias, sendo fonte de produção de heroína.

Juntos, Laos e Mianmar geraram este ano 18% da produção global de ópio. Mianmar já é o segundo país do mundo que mais produz a substância, ficando atrás somente do Afeganistão.

Segundo a agência da ONU, pesquisas no Triângulo Dourado mostram que o dinheiro obtido com o cultivo da planta é essencial para os pequenos agricultores que sofrem de insegurança alimentar e pobreza.

Pobreza

O Unodc destaca a “forte ligação entre pobreza e o cultivo da papoula”, afirmando que os agricultores “não são más pessoas, mas são pessoas pobres”.

Para o representante do Unodc no sul da Ásia, Jeremy Douglas, os dados são um “sinal claro” da necessidade de se produzir alternativas ao cultivo da papoula.

Ele nota que as redes de crime organizado que se beneficiam do tráfico ilegal de drogas no sul da Ásia estão posicionadas para tirar vantagem da integração regional.

O Unodc destaca ainda que em Mianmar e no Laos, o uso de heroína e outras drogas sintéticas continua alto e é maior ainda nos vilarejos onde há cultivo da papoula.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud