ONU: Violência já fez mais de 450 mortos na República Centro-Africana

10 dezembro 2013

Confrontos entre grupos cristãos e muçulmanos provocaram 108 mil deslocados; situação é considerada tensa com relatos de população com medo nas províncias centro-africanas.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

As Nações Unidas anunciaram, esta terça-feira, que pelo menos 459 pessoas morreram devido aos atos de violência ocorridos recentemente na República Centro-Africana.

Os ataques, que envolvem grupos cristãos e muçulmanos, provocaram 108 mil deslocados, segundo o Escritório de Coordenação de Assistência Humanitária, Ocha.

Abrigo

Na capital, Bangui, milhares de pessoas estão concentradas em mais de 20 locais e procuram abrigo em edifícios como igrejas, mesquitas, edifícios públicos com destaque para o aeroporto internacional.

O país tem agora 533 mil deslocados internos na sequência da ofensiva de rebelde contra o deposto presidente François Bozizé, que em março fugiu para o exílio.

Ordem

Na semana passada, a ONU aprovou uma resolução que prevê o uso de todas as medidas necessárias para restaurar a ordem na República Centro-Africana.

Agências noticiosas informaram que dois soldados franceses morreram nesta terça-feira, os primeiros desde que foram implantados 1,6 mil tropas do país na semana passada. A União Africana anunciou que aumentava a presença do contingente do continente para o país para 6 mil elementos.

Ajuda

O Fundo da ONU para a Infância, Unicef, reiterou o seu apelo aos líderes dos grupos armados para que evitem ataques contra civis e evitem lutas em hospitais e campos de deslocados. A intenção é que seja dado espaço para o acesso de ajuda aos carenciados pelos funcionários humanitários.

Nas províncias, a situação é considerada tensa com relatos a dar conta da população a viver com medo.

*Apresentação: Denise Costa.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud