ONU quer informações sobre encerramento de locais de culto em Angola

2 dezembro 2013

Escritório dos Direitos Humanos respondeu à questão de jornalista sobre sobre alegações de que medida está a ser aplicada pelo governo angolano; autoridades do país negam existência de política para “perseguir igrejas ou religiões.”

Eleutério Guevane, Rádio ONU em Nova Iorque.*

O Escritório dos Direitos Humanos das Nações Unidas disse que pediu esclarecimentos às autoridades angolanas sobre denúncias de “destruição de mesquitas e possíveis restrições às liberdades religiosas.”

A informação foi dada, em Genebra, em resposta à questão de um jornalista a partir de relatos na media internacional a dar conta do tipo de ações no país africano.

Política

Mas agências noticiosas locais citam o ministro angolano das Relações Exteriores, Georges Chikoti, a negar a existência de uma “política governamental para perseguir igrejas ou religiões.”

O governo informou que o encerramento de vários centros de culto é justificado com o incumprimento de processos formais, com umas “autorizadas a professar a sua religião ou a construir igrejas em lugares devidamente indicados pelas autoridades do Estado.” 

Confissões Registadas

Os relatos das agências referem que das cerca de 1,2 mil denominações cristãs e oito islâmicas existentes no país, 83 confissões religiosas estão registadas oficialmente por lei.

A entidade da ONU disse que, apesar de não ter instalações próprias em Angola, está a recolher informações de várias fontes sobre o tema.

*Apresentação: Denise Costa.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud