ONU preocupada com assassinatos em operação anticrime na RD Congo

ONU preocupada com assassinatos em operação anticrime na RD Congo

Agências da organização apontam para pelo menos 20 mortos, incluindo 12 crianças; ofensiva contra a delinquência urbana teve início há uma semana.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Entidades das Nações Unidas pediram medidas imediatas para acabar com o desaparecimento e o assassinato de crianças e jovens na capital da República Democrática do Congo, Kinshasa.

Os relatos de sua ocorrência coincidem com uma operação lançada pelo governo para combater a delinquência urbana há uma semana.

“Operação Likofi”

Em comunicado, o Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, e a missão da ONU no país, Monusco, citam informações que dão conta de pelo menos 20 mortos, incluindo 12 crianças.

As entidades consideram “alarmante” que o desaparecimento e o assassinato de homens e crianças coincidam com o início da denominada “Operação Likofi”, ou soco em língua local.

Leis

Além de pedir o fim de tais atos, as duas entidades lembram que o Estado deve garantir que os direitos humanos sejam protegidos, e que as crianças recebam proteção especial em todas as circunstâncias. A observação da medida deve ser no âmbito “das leis congolesas e tratados e convenções internacionais.”

O comunicado solicita ainda que as investigações sejam realizadas pelas autoridades judiciais, para que os autores dos atos sejam levados à justiça de acordo com o Código Penal congolês. 

As Nações Unidas reiteraram a disponibilidade de apoiar o Governo congolês na busca de soluções para os problemas referentes à reintegração social de crianças e jovens.