Perspectiva Global Reportagens Humanas

Liberalização comercial não beneficia mulheres em Angola, diz Unctad

Liberalização comercial não beneficia mulheres em Angola, diz Unctad

Estudo sugere formalização para ampliar oportunidades do grupo nas micro e pequenas empresas; estimativas apontam para envolvimento de entre 60% e 70% de angolanas no setor informal urbano.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

A liberalização do comércio não modificou a situação de grande parte das mulheres angolanas, revela um estudo da Conferência da ONU sobre Comércio e Desenvolvimento, Unctad.

O segmento feminino integra grande parte dos produtores excluídos dos mercados, conforme a pesquisa “Quem se Beneficia com a Liberalização do Comércio em Angola? Uma Perspetiva de Género.”

Mulheres

A publicação revela que a agricultura comercial emprega na sua maioria homens, com a mão-de-obra feminina a representar 26% dos trabalhadores do agronegócio. A Unctad estima que 20 mil mulheres atuem na área.

A maior concentração feminina está no setor informal urbano, onde estas representam entre 60% a 70% de todos os trabalhadores. A atividade é a principal a empregar mão-de-obra composta por mulheres fora da agricultura.

Pobres e Vulneráveis

No país, estima-se que as mulheres trabalhem em média entre 14 e 15 horas diárias, tanto em casa quanto no campo. Os agregados familiares chefiados por mulheres são os mais pobres e vulneráveis, representando 33% das famílias rurais.

Com a agricultura de exportação “muito limitada” apesar de empregar mão-de-obra rural feminina, o Unctad defende que a formalização poderia aumentar as oportunidades de negócio para as micro e pequenas empresárias.

Para tal, a sua capacidade produtiva deve “estar ligada aos principais setores económicos de Angola, nomeadamente em redes de fornecedores de produtos e de serviços.”

Forte Presença

A sugestão é que sejam exploradas opções de investimento em setores como a agricultura de subsistência, onde há uma forte presença de pobres e especialmente de mulheres. Elas compõem 50,2% da população angolana.

O aumento da renda das mulheres dedicadas a serviços formais não comercializáveis, deve ter “impacto global mínimo em Angola”. A Unctad refere que a previsão de crescimento somente poderá ser substancial para as trabalhadoras da área.

*Apresentação: Denise Costa.