OMS preocupada com gestantes nas Filipinas
BR

18 novembro 2013

Agência da ONU calcula que 12 mil bebês devem nascer no país até o mês que vem; outro problema é com os doentes crônicos sem acesso a medicamentos.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova York.*

A Organização Mundial da Saúde, OMS, está preocupada com as gestantes nas Filipinas. Segundo a agência da ONU, 12 mil bebês devem nascer no país nos próximos 30 dias. A OMS está em alerta também com a situação das pessoas com doenças crônicas sem acesso a medicamentos.

Segundo a organização, os dois problemas juntos exigem a recuperação dos serviços básicos de saúde após a passagem do tufão Haiyan.

A declaração foi feita à Rádio ONU, da cidade de Cebu, pelo porta-voz da agência. Tarik Jasarevic disse que as Filipinas estão recebendo mais ajuda e que está aumentando também o número de pessoas assistidas.

Nascimentos

Segundo Jasarevic, a questão das pessoas que tomam medicamentos para doenças crônicas, todos os dias, requer um acesso maior e exige a recuperação dos serviços básicos de saúde em todos os locais possíveis. Ele afirmou que outra questão é garantir que os partos das gestantes sejam seguros. O porta-voz disse que cerca de 12 mil nascimentos devem ocorrer nas áreas atingidas pelo tufão no próximo mês.

Os sobreviventes participam de cerimônias religiosas em homenagem às vítimas da tempestade, que segundo as agências de notícias, matou pelo menos 3,9 mil pessoas. Os últimos dados oficiais mostram que 1186 pessoas estão desaparecidas.

Possibilidade de Surtos

A OMS diz que grande parte dos mais de 1,5 mil abrigos está superlotada e que a sua preocupação é com o aumento da possibilidade de surtos de doenças.

As autoridades de saúde das Filipinas levam a cabo uma campanha de vacinação contra o sarampo e a poliomielite nas áreas atingidas.

Tratamento de Água

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, calcula que 200 mil pessoas de Tacloban e seis distritos vizinhos recebam água potável com a restauração da primeira estação de tratamento de água no domingo.

Após o tufão, ocorrido há uma semana, a estação de tratamento de água do distrito de Leyte operava com apenas 20% da capacidade normal, deixando os sobreviventes da tempestade vulneráveis a doenças.

O Alto Comissariado para Refugiados, Acnu,r está fazendo a distribuição da ajuda humanitária e apoia o governo nas operações como parte da resposta de emergência. Os suprimentos já foram entregues a 15 mil sobreviventes.

*Apresentação:  Edgard Júnior

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud