Cultura é essencial para o desenvolvimento de África

Cultura é essencial para o desenvolvimento de África

Para encerrar a Semana da África-Nepad, a Rádio ONU ouviu alguns intervenientes e atores culturais que defendem que a cultura desempenha um papel importante no processo de desenvolvimento do continente.

Ouri Pota, da Rádio ONU em Maputo.

Numa semana em que a sede das Nações Unidas destaca a semana especial para Africa/Nepad, a Rádio ONU conversou com Jossias Filipe, autor do livro A Nepad na Integração Económica Africana: Fliosofia ou Instituição para perceber como a cultura pode contribuir para o desenvolvimento do continente.

Jossias Filipe que também é investigador e analista de questões socioeconómicos de Moçambique, da região e internacionais considera que a cultura traz benefícios quando os elementos básicos como a educação e saúde são partilhados sem olhar a questão geográfica.

“Se as pessoas que partilham as fronteira pudessem partilhar as oportunidades de educação ou de saúde no outro lado da fronteira, facilitando naturalmente o cruzamento desta, esta  seria uma maneira muito simples de fazer uma Nepad, uma nova parceria para desenvolvimento.”

Renascença Africana

Filimone Meigos, sociólogo e diretor geral do primeiro instituto de ensino superior de arte, ISArC, afirma que quando se fala desenvolvimento em África, é necessário olhar a cultura tendo em conta a carta da renascença Africana.

“Eu vejo África e cultura plasmados na carta da renascença África, que basicamente tem dois, três vetores que passa enunciar, o primeiro é o resgate da dignidade do homem e da mulher africana, segundo este mesmo resgate passa conceito de liberdade no sentido mais amplo, terceiro África se equacione no concerto das Nações, vamos assim dizer no sentido global versus local, se eu quiser admitir que África é meu local.”

Dança e Música

Já para a bailarina Tinoca Muzimba, a cultura pode contribuir de várias formas, o exemplo é o movimento dos corpos, dança.

Chico António, músico, compositor e produtor musical, é da opinião que as várias formas de manifestação cultural tem importância porque os intervenientes da arte são a voz de um povo, e apresenta como exemplo a sua área de atuação, a música.

“Através da música, através das composições, na sensibilização dos dirigentes africanos da forma como podem dirigir os seus países, contribuir na prevenção de doenças, Sida, malária, através dos seus conteúdos, a educar a sensibilizar para que se previnam, também alertar os dirigentes de forma que possam dirigir os seus povos alertado portando o que o que está mau o que está bom.

A Semana África/Nepad que decorre na ONU termina este sábado dia 26 de outubro.