Conselho de Segurança estende mandato de Missão da ONU no Haiti
BR

10 outubro 2013

Decisão foi tomada depois  de pronunciamento do Secretário-Geral; Ban Ki-moon  afirmou que progresso alcançado pela força de estabilização no Haiti foi considerável desde que as tropas chegaram ao país em 2004..

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

O Conselho de Segurança aprovou esta quinta-feira, por unanimidade, a extensão do mandato da Missão das Nações Unidas no Haiti, Minustah, até 15 de outubro de 2014.

A decisão foi tomada depois de pronunciamento do Secretário-Geral aos membros integrantes do órgão. Segundo Ban, o progresso alcançado pelas tropas de estabilização, comandadas pelo Brasil, foi considerável desde que os soldados chegaram ao país em 2004.

Criminalidade

O chefe da ONU citou a redução da criminalidade, principalmente na área da capital, Porto Príncipe, assim como a ajuda na entrega da assistência humanitária.

Pelos dados oficiais, os registros de homicídios caíram para 61 entre março e junho de 2013, comparado com os 90 durante o mesmo período do ano passado.

Tropas

Sobre a redução das tropas, Ban afirmou que até 30 de junho, 1070 militares da Minustah foram retirados do país. A Missão tem agora pouco mais de 6,2 mil soldados.

A força policial da Minustah também sofreu uma redução para 2,6 mil, menos 640 policiais.

Até 2014, o Secretário-Geral recomendou a redução de mais 1249 soldados, o que deixará a Missão com um total de pouco mais de 5 mil militares.

A Minustah participa também dos trabalhos de reconstrução do Haiti, que inclui não somente a melhora do bem-estar do povo e da segurança, mas o reparo de estradas, construção de poços artesianos, limpeza de canais e distribuição de água e comida.

Cólera

Em relação ao cólera, Ban afirmou que até junho deste ano a epidemia da doença matou 8173 pessoas e infectou mais de 664 mil. Só no primeiro semestre de 2013, 258 pessoas morreram e surgiram 28,8 mil novas infecções.

Ele declarou que a ONU continua apoiando os esforços do governo haitiano para prevenir e tratar a doença.

Ban Ki-moon disse ainda que a Organização Mundial da Saúde, a Organização Panamericana da Saúde e o Unicef estão trabalhando com vários ministérios do governo do Haiti para garantir uma resposta adequada para combater o cólera.

Resolução

Na resolução final, os 15 países integrantes do Conselho afirmaram que a redução das tropas deve ter como base a situação da segurança no país.

Para eles, deve ser levada em consideração a importância da manutenção da segurança e da estabilidade e seu impacto social e político no Haiti.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud