Inspetores pedem fim de combate para lidar com armas químicas na Síria

Inspetores pedem fim de combate para lidar com armas químicas na Síria

Diretor da entidade quer colaboração das partes para a destruição dos artefactos; aplicada temporariamente, medida é tida como fator positivo para a ação de especialistas no terreno.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O diretor-geral da Organização para a Proibição de Armas Químicas, Opaq, disse que o fim temporário dos combates na Síria permitiria que os especialistas da entidade realizassem o trabalho em relação ao tipo de engenhos.

A entidade prevê que as primeiras ações na Síria sejam concluídas até ao final deste mês, após ter enviado mais 12 especialistas para Damasco, nesta quarta-feira.

Prazo

Falando a jornalistas, em Haia, Ahmet Üzümcü disse prever que, até ao período, as instalações de produção sejam inutilizadas, tendo em conta o fim da destruição de todas as capacidades de armas químicas em meados de 2014.

O responsável considerou o prazo de destruição do tipo de armamento de “bastante apertado.”

O diretor sublinhou que a situação é extraordinária para a Opaq, que a considera sem precedentes. Ele lembrou que era o início de um processo difícil, que envolve riscos substanciais para a qual a entidade estava bem equipada em termos de conhecimento, de especialização e de experiência suficientes para cumprir o mandato.

Comunicação Construtiva

O chefe da organização pediu a cooperação do governo sírio com os especialistas e que seja mantida uma comunicação construtiva entre a missão e as autoridades.

As restantes partes do país também foram instadas a cooperar e a contribuir positivamente para a missão.

Coordenador Especial

Para os próximos dias o Secretário -Geral da ONU deve nomear um coordenador especial para apresentar os resultados do trabalho da missão que envolve a organização e a Opaq.

O representante lembrou que a destruição das instalações de armas químicas, dos artefactos e do material associado é da responsabilidade do governo sírio. Como referiu, nem o Opaq nem a ONU estão mandatados a realizar atividades específicas de destruição.

O diretor do Opaq confirmou a destruição de alguns equipamentos, no âmbito do trabalho de um grupo avançado que iniciou as operações na Síria a 6 de Outubro.